31 de outubro de 2013


Eu não digo sim quando quero dizer não, nem digo não quando o que quero é dizer sim, se eu estiver em dúvida te direi 'talvez', se eu fizer silêncio é porque você não entendeu as alternativas anteriores e de alguma forma está desrespeitando e invadindo minha posição. Não faço joguinhos ou o gênero confusa, se você me perguntar eu irei responder. Não tenho dificuldade em expressar as minhas vontades, aprendi a falar o que desejo com delicadeza. Também não tenho intenção de ferir ninguém, mas em hipótese alguma irei me ferir por medo de falar. Porque é impossível ser honesto com os outros se antes você não for honesto consigo mesmo.

Andréa Beheregaray.

28 de outubro de 2013


"Seja qual for a situação, vá fundo no silêncio e veja o poder que vem de dentro. Silêncio interno profundo é a medicina que promove a cura de ferimentos e mágoas do passado. Quando há silêncio, novas ideias florescem, talentos são fortificados e tudo se acomoda facilmente".
Brahma Kumaris
De você não quero notícias, nem escuto boatos, desacredito de tudo o que se pretende fato. Porque de você só quero saber de você. 

Porque a inveja tem rosto, o ciúmes tem língua e a maldade tem voz. E já faz tempo que aprendi que quando você se afasta de alguém e sabe dela apenas de ouvir falar, no disse que disse que disse que disseram sem saber nem mais, nem como ou porque é cair no conto do vigário, de pontos inventados lugar do desencontro, cheio de más intenções. 

Porque eu já aprendi que quando você se afasta de alguém e dela sabe apenas de ouvir falar, o melhor mesmo é calar e se a real quiser encontrar chegue bem perto, olhe nos olhos, é lá que a verdade está. 

De você só quero saber de você e de mais ninguém. 

Andréa Beheregaray. 
Da série, Sambinha do B.A.Bá.

27 de outubro de 2013

Cavernas de Mármore

Me deparei com essa foto, impressionante a formação de mármore a coloração da caverna!
"Estas são as Cuevas de Mármol, ou cavernas de mármore, encontrado nas margens do Lago General Carrera - um lago glacial remoto rodeado pela Cordilheira dos Andes e que abrange a fronteira Chile-Argentina. Formado ao longo de 6.200 anos de inúmeras ondas colidindo contra umm enorme península de carbonato de cálcio."


Image: Schbauzo (panoramio.com/user/2643264)




26 de outubro de 2013

Marina Silva no Roda Viva, TV Cultura

Reuni os vídeos das entrevistas da Marina Silva no Roda Viva, os primeiros são da entrevista do dia 18/02/2013, dividido em 4 Blocos. O último vídeo é da entrevista do dia 21/10/2013, com a entrevista completa em um único vídeo. Marina fala sobre a política no Brasil, política mundial, democracia, sobre ambientalismo e sobre a Rede de Sustentabilidade.


Roda Viva | Marina Silva | 18/02/2013


Bloco 1


Bloco 2

Bloco 3

Bloco 4




Roda Viva | Marina Silva | 21/10/2013



25 de outubro de 2013

Ohio State Marching Band "Michael Jackson Tribute"

A banda marcial do Estado de Ohio, EUA, prestou um Tributo a Michael Jackson, sensacional, que não pude deixar de registrar aqui no blog.

Ohio State Marching Band "Michael Jackson Tribute" - Halftime vs. Iowa: 19/10/2013.

Moonwalk com 192 pessoas. Assista o vídeo a partir dos 4 minutos.



24 de outubro de 2013

Observação

"Aceitação do “que é” não significa concordar com isso. Não é preciso concordar ou discordar. Isso é o que é. O importante é a nossa reação ao que a vida nos apresenta. Falta de reação não quer dizer “não agir”, mas não ser afetado. Não nos tornamos “não afetados” quando “fazemos esforços” para não sermos afetados, mas quando temos em nossas veias uma aceitação infinita das coisas. Por isso a importância da observação. Até que aprendamos a observar tudo ao nosso redor e dentro de nós, sem rotular, seremos presas fácil dos eventos da vida. Para ter tal poder de observação precisamos meditar e assimilar. É aqui onde a solitude adquire importância crucial."
Brahma Kumaris

23 de outubro de 2013

100 anos do "poetinha" Vinicius de Moraes

No dia 19 de outubro foi o centenário do grande poeta, cantor e compositor Vinicius de Moraes...
Eu o conheci quando eu ainda era criança, e é uma alegria relembrar...

A Porta


E também assistindo o Castelo Rá-Tim-Bum, conheci este outro poeminha: 

A Galinha D'Angola




O Relógio


Dedico essa postagem à minha irmã Cristiane que assistia Castelo Rá-Tim-Bum comigo.






16 de outubro de 2013

Perdoar


Perdoar é um exercício que devemos fazer por nós, antes de mais nada. O perdão egoísta, porque não perdoar nos aprisiona aquele que nos feriu e nos faz carregar, além da ferida, o tormento. Mas não se perturbe com discursos de 'bons samaritanos' e divindades, perdoar leva tempo, perdoe-se também se você não puder fazê-lo, não conseguir é humano e você não deve carregar além do ferida, o tormento e a culpa por não conseguir esquecer. Porque tudo que feriu fundo leva tempo para cicatrizar, a dor também tem seu ciclo. Tampouco se abale com discursos e pedidos daqueles que te feriram e pedem seu perdão, acredite eles o fazem muito mais em seu próprio nome, para se libertarem da culpa, do que com genuína vontade de reparação. 

Então silencie, proteja-se, cuide de você e respeite sua dor. O verdadeiro perdão surgirá naturalmente e servirá, antes de mais nada, para tornar sua vida mais leve, livre da dor. Perdoar é muito nobre, mas isso não significa esquecer e a gente na verdade nunca esquece. Tampouco desculpar significa conviver outra vez com quem nos feriu, é antes aprender para escolher quem seguirá ao nosso lado. Perdoar não é apagar, mas libertar-se, libertar, seguir em frente sem nos tornarmos vítimas das nossas marcas e feridas. 

Perdoar é a tentativa que você faz por você de seguir em paz.

Andréa Beheregaray.

9 de outubro de 2013

A Era dos Samurais


Eles existem desde o século VIII, mas foi entre o Período Kamakura, iniciado em 1192, até a Restauração Meiji, em 1867, que os samurais tiveram sua época áurea no Japão. A Restauração Meiji é o marco do início do fim da estrutura feudal japonesa, o início da industrialização do país e o fim dos samurais enquanto servidores do imperador. Mas como os samurais chegaram a ter este status? É isso que vamos tentar explicar agora.

Devido seu isolamento do resto do mundo – em especial o fim do contato direto com a China, principalmente após a invasão de Gengis Khan àquele país – a sociedade japonesa teve um desenvolvimento bem peculiar, com características que nós dificilmente encontramos em outros povos.

Querem um exemplo recente? O grande terremoto que causou um tsunami em março de 2011. Mesmo com lugares completamente destruídos e outros carecendo de abastecimento básico de água e alimentos, TODOS os jornalistas fizeram questão de destacar a forma ordeira, disciplinada e educada com que os japoneses lidaram com este grave problema, sem causarem tumultos, brigas e confusões. É inegavelmente um aspecto cultural que não é muito comum em outras sociedades do mundo.

Honra, perfeição, justiça e lealdade. Parte desta disciplina e deste respeito comuns na cultura japonesa são heranças dos samurais. Para quem não sabe – e eu também não sabia antes de pesquisar – , em japonês o termo samurai quer dizer “aquele que serve”. Os garotos eram iniciados no Bushido, o “caminho do guerreiro”, e assim aprendiam o Kobuto, a arte marcial dos samurais. Aqui cabe uma informação: todo samurai era um bushi, “guerreiro”, mas nem todo bushi era um samurai. Entenderam?


Aqueles que tinham melhores habilidades de luta e de manuseio da katana e da wakizashi – as duas espadas samurais – acabavam contratados por um senhor, normalmente dono ou responsável direto das terras próximas, nomeado pelo imperador. Viravam cobradores de impostos e auxiliavam na administração das terras.

Após a guerra entre dois grandes grupos, os Guenjis e os Heishis, já no século XII, é que os samurais passam a ocupar funções militares no Japão. Os Guenjis venceram a guerra, valendo-se do fato de que a aristocracia Heishi afastou-se das práticas militares e buscado garantir o controle de suas terras de forma diplomática e burocrática.

Minamoto-no Yoritomo, “chefe” dos Guenjis, temia que seus subordinados caíssem nos mesmos erros dos Heishis, e preferiu transferir sua sede governamental de Kyoto para a região de Kamakura. Na ocasião o imperador Takahira ainda era muito novo – estima-se que em 1192 ele tinha apenas 12 anos – nomeou Yoritomo como “Shogun”, ou general dos generais, ou “generalíssimo”. Algumas fontes dizem que o próprio Yoritomo proclamou-se generalíssimo.

Independente de quem nomeou quem, a instituição imperial japonesa perdeu um pouco da força, mas acabou ganhando um séquito de leais defensores.


A consolidação do Shogunato


Yoritomo organizou a estrutura japonesa de forma que havia uma certa dependência de ambas as partes que, de certa forma, mandavam no povo. A casa imperial passou a demonstrar força absoluta com os samurais ao seu lado, e os samurais, por sua vez, controlavam a estrutura feudal com a bênção divina do imperador.

Mas um evento em especial vai ajudar muito na união do povo japonês e na consolidação da força dos samurais: as tentativas de invasões mongóis ao Japão.

Kublai Khan, neto de Gengis Khan, após invadir e conquistar a Coréia tentou também invadir o Japão por duas vezes: em 1274 e 1281.

A primeira invasão, desejada pelo Khan desde 1268, só foi possível em 74 pois os mongóis não tinham uma frota marítima que pudesse transportar muitos soldados para a invasão. Centenas de barcos foram construídos para este fim – estima-se um número entre 700 e 800 embarcações – e cerca de 44 mil soldados, entre mongóis, chineses, tártaros e coreanos zarparam do sul da Coréia em direção ao Japão. Após os mongóis vencerem os japoneses em Tsushima, eles aportaram na baía de Hakata. Ali também venceram os exércitos japoneses, liderados pelos samurais, que tiveram que bater em retirada para fortificações que ficavam mais no interior da região, na tentativa de reorganizar a defesa.


O Kami kaze: Pilotos suicidas defendendo o Japão no século XIII? Nada disso…

Os mongóis venceram a batalha em Hakata e à noite voltaram para seus barcos. Ali, na segurança do porto e na alegria da vitória eles provavelmente festejaram e foram dormir. De madrugada um “vento divino” – um verdadeiro tufão – levou os barcos para bem longe do litoral, afundou muitos outros e acabou por dispersar TODA a frota mongol.

Este é o real significado da expressão kami kaze, ou kamikaze: “vento divino”, ou “vento dos deuses”.

Khan não desanimou. Após subjugar a dinastia Song em 1279 e enviar emissários algumas vezes para o Japão exigindo a submissão do imperador – fato este que nunca foi aceito nem pelo imperador sequer pelos samurais – uma nova grande invasão foi planejada e executada em 1281.

Desta vez, estima-se que 4400 barcos levaram cerca de 140 mil guerreiros para invadir o Japão. Duas frentes foram montadas: uma saiu da Coréia e outra do rio Yangtze, na China. Mais uma vez os samurais defenderam bravamente a região de Hakata, só que desta vez com fortificações e barcos bem mais robustos do que os que existiam em 74.

Os soldados de Khan que saíram da China sofreram um pequeno atraso, é verdade, mas um novo tufão destruiu muitos barcos mongóis, desfalcando consideravelmente a frota de Khan.

Esta providência dos ventos – e óbvio, a coincidência de acontecerem justamente durante uma grande invasão e ajudarem na destruição da frota inimiga – levou os japoneses a acreditar que seu país era protegido pelas forças divinas. Como já foi citado, os samurais dominaram o Japão por séculos, até a Restauração Meiji. Influenciaram todo um povo e uma cultura, e seus rastros estão presentes no Japão até hoje.




Fonte: HistoriaZine #Alissont

3 de outubro de 2013

Sustentabilidade

"Há duas energias atuando no mundo nesse momento: a energia construtiva e a energia destrutiva. A mudança do antigo para o novo - do destrutivo para o construtivo - só pode vir através da pureza. Cada pensamento meu deve ser puro porque é a pureza que traz o novo mundo. Uma nova árvore só pode vir de uma nova semente ou muda. Esta é a muda humana. Fizemos parte da velha árvore, mas não faremos mais o que costumávamos fazer. Não confiaremos nos métodos antigos porque provaram não ser sustentáveis. Sustentabilidade vem da pureza."
Brahma Kumaris

2 de outubro de 2013

Outubro Rosa - Prevenção contra o Câncer de Mama

O mês de Outubro é o mês oficial da Campanha Mundial Contra o Câncer de Mama, é o mês escolhido internacionalmente para chamar atenção para a questão do câncer de mama. Usa-se a cor Rosa, especialmente uma fita em laço rosa, para representar a importância do conhecimento, da informação, da prevenção, do tratamento contra o câncer de mama e principalmente a propagação da campanha para possibilitar que todas as mulheres tenham a consciência sobre o tema e possam se cuidar.

Faça parte também da campanha, use rosa, use uma fita rosa, divulgue!
Homens, têm irmãs, mães, filhas, participem da campanha.
Que todos adquiramos consciência!

1 de outubro de 2013


"Quando uma tarefa requer força além da minha capacidade, eu preciso me relembrar do poder que há dentro de mim. Se volto atrás e penso em todas as vezes que fui bem-sucedido, independente dos obstáculos que enfrentei, isso ajudará a fortalecer minhas habilidades e minha fé em mim. Então, conseguirei enfrentar qualquer desafio com entusiasmo renovado sabendo que posso vencê-lo."
Brahma Kumaris