29 de abril de 2013

Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Canta a aleluia virginal das crenças.

Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Vertem lustrais irradiações intensas
Cintilações de lâmpadas suspensas
E as ametistas e os florões e as pratas.

Como os velhos Templários medievais
Entrei um dia nessas catedrais
E nesses templos claros e risonhos ...

E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!
-

Augusto dos Anjos

19 de abril de 2013

"Por conseguinte, nada é mais humano do que o tédio, e não se trata de eliminá-lo, mas sim de dominá-lo. É preciso, então, que o tempo e o espaço deixem de ser inimigos do indivíduo. Roustang propõe quatro exercícios para tanto: a presença, a espera, a paciência e a potência.
A presença parece natural, mas na verdade se aprende e se desenvolve, mescla concentração em si e esquecimento do alheio. É uma resistência à distração, à fuga e à angústia; uma luta para concentrar a atenção no próprio corpo e no ambiente onde se está. A espera requer a renúncia às questões quando e como o exercício vai terminar. A paciência é a sensibilidade à alteração das nuanças do espaço e do tempo, uma tensão em direção às bordas da impaciência. A consciência do tédio pode levar, assim, ao coração e ao lugar da possibilidade, e transformar-se em potência: o desperdício de energia próprio ao tédio é apto a converter-se em intensa concentração. Em todos estes exercícios, a consciência do método – da aula, do estudo, de pesquisa – é um aliado de peso."

Retirado de:
VENTURA, Deisy. Do direito ao método e do método ao direito.

14 de abril de 2013

Quando começa a anoitecer, o estacionamento do Aeroporto Internacional de G'Bessi começa a encher de estudantes, eles se agrupam ali todas as noites, por ser o Aeroporto, um dos únicos locais onde eles podem contar com uma luz artificial e com isso conseguir estudar.

Somente 5% da população de Guiné-Conacri, na África conta com Eletricidade, e mesmo esse pouco sofre com cortes de eletricidade freqüentes. Segundo dados das Nações Unidas em média um Guiniense consome 89 kilowatts por hora ao ano. Isto é o equivalente a ter um ar condicionado ligado durante 4 minutos por dia. O americano médio consome cerca de 158 vezes esta quantidade.

Os estudantes começam a chegar no final da tarde para conseguirem os melhores lugares para estudar, que são aqueles locais que ficam diretamente abaixo de um dos 12 postes de iluminação do estacionamento

Alguns destes estudantes caminham mais de uma hora para chegar a este local.
Os locais são definidos por idade. Os alunos dos sete aos nove anos de idade sentam-se em alguns pontos que separam o transito, enquanto que os adolescentes se sentam nos pilares de cimento que rodeiam o lugar à volta do aeroporto. As garotas têm de ser acompanhadas por um irmão mais velho ou algum homem do sexo masculino de confiança. Mesmo as crianças menores são autorizadas a estar na rua até altas horas da madrugada. Aqueles que moram mais longe procuram luz nas bombas de gasolina outros no exterior das casas de famílias abastadas. Estes alunos consideram-se, ainda assim, uns sortudos.
Ali Mara, dez anos, estudava o diagrama do corpo de um inseto e disse: "Os meus pais não se preocupam comigo porque sabem que estou aqui à procura do meu futuro."

Cavalo

Esta manhã conversando com um amigo sobre a infância me lembrei do meu cavalo, o Baio, que me levava até as bergamoteiras, sobre o lombo, eu criança pequena, conseguia alcançar as bergamotas mais bonitas! Essa imagem remota àquele tempo...




10 de abril de 2013

Descompasso

 
Ponteiros, claudicantes,
Pouco a pouco,
Angariam do tempo
Um destino incomum.
Um olhar sem rumo,
O destino, efêmero,
O tempo fugaz
E o caminho atroz.
Enganados por si só,
Confundem-se com o próprio sonho.

Luís Octávio Outeiral Velho 09/04/13.