21 de agosto de 2009

"Muitas vezes quando nos apaixonamos parece que nada mais tem importância à não ser pensar naquele alguém, esquecemos de nós mesmos para viver a vida do outro e quando nos damos conta, perdemos muito tempo sem se olhar bem fundo no espelho e gostar de si mesmos e principalmente nos respeitar. Por que se não gostarmos de nós, como será possível alguém gostar e respeitar os nossos sentimentos? Sem saber que devemos nos amar e nos permitir a felicidade, sim porque ela está em nós, apenas em nós e assim podemos compartilhá-la com o outro. Em certos momentos parece que o amor anda fugindo da gente, mas nunca deixe escapar um amor muito especial: o amor próprio!"

O Olhar diz mais que Mil Palavras

"a profundidade de um olhar...
silencia a voz
apaga o gesto
pára o tempo..

a profundidade de um olhar..
solta a verdade
mostra o sentimento
solta a emoção..

a profundidade de um olhar..
magia que vem de dentro
grito da alma
no silêncio do olhar."

"As mais lindas palavras de amor são ditas no silêncio de um olhar."
Leonardo da Vinci

"As palavras estão cheias de falsidade ou de arte; o olhar é a linguagem do coração."
William Shakespeare

Amanhã pode ser tarde de mais

ontem? isso faz tempo!
amanhã? não nos cabe saber

amanhã pode ser tarde
pra você dizer que ama
pra você dizer que perdoa
pra você dizer que desculpa
pra você dizer que quer tentar de novo

não deixe pra amanhã
o sorriso, o abraço, o carinho, o trabalho, o sonho, a ajuda.

não deixe pra perguntar amanha
por que você está triste?
o que há com você?
cadê o seu sorriso?
cade seus sonhos?
onde está sua garra?
lembre-se:

amanhã pode ser muito tarde
procure, vá atrás, insista!
tente mais uma vez
só hoje é definitivo!

O vento vai responder

Composição: Bob Dylan

Quantos caminhos se tem que andar
Antes de tornar-se alguém?
Quantos dos mares temos que atrevessar
Pra poder, na areia, descansar?
Quantas mais balas perdidas voarão
Antes de desaparecer?

Escute o que diz
O vento, my friend
O vento vai responder

Quantas vezes olharemos o céu
Antes de saber enxergar?
Quantos ouvidos terá o poder
Para ouvir o povo chorar?
Quantas mais mortes o crime fará
Antes de se satisfazer?

Escute o que diz
O vento, my friend
O vento vai responder

Quantos anos pode uma montanha existir
Antes do mar lhe cobrir?
Quantos seres ainda irão torturar
Antes de se libertar?
Quantas cabeças viraram assim
Fingindo não poderem ver?

Escute o que diz
O vento, my friend
O vento vai responder

Eu sinto saudade


Sinto saudade do tempo.
Do tempo em que eu era criança
Do tempo em que tudo era só brincadeira
Do tempo em que eu era feliz.
E não sabia

Sinto saudade do tempo em que as coisas eram apenas novidade
Do tempo em que tudo o que eu fazia dava certo
Das pessoas que conheci
Das amizades que fiz
Dos relacionamentos que tive

Sinto saudade do tempo
De quando amar parecia algo muito distante
De quando a vida era apenas uma festa
Das brincadeiras que fazia com meus amigos

Sinto saudade do tempo
Tempo em que não dava satisfações de minha vida
De não ter que dar explicações
De fazer o que queria e não me arrepender

Sinto saudade
Do tempo que passou
E que não volta mais

Mas de tudo isso
Também sinto saudade...

    Afinal quem não sente?
"Let's swim to the moon,
let's climb through the tide.
Penetrate the,
evening that the,
city sleeps to hide.
Let's swim out tonight love,
it's our time to try.
Park besides the ocean,
on our moonlight drive"

(Moonlight Drive)

Jim Morrison

Norman Mailer: "As pessoas procuram o amor para solucionar os seus problemas, quando na verdade o amor é a recompensa por você ter solucionado os seus problemas".
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o seu cajado me consolam. (Salmo 23:4)
Tudo na vida tem um propósito...
Por mais simples que possa parecer,
Nada acontece por acaso.

Ser fiel é saber respeitar quem você ama de verdade,
Não enganar, não trair,
Saber dar valor a pessoa que confia em você.
Ser fiel é... um dom,
Que não se aprende,
Não se ensina ou se estuda.
Tal qual um anjo não é anjo por escolha e sim por vocação.
"As circustâncias NÃO CRIAM O HOMEM: o homem é que cria as circustâncias COM AS SUAS DECISÕES e, com as suas decisões, define o seu COMPORTAMENTO."

19 de agosto de 2009

"Pensamentos valem e vivem pela observação exata ou nova, pela reflexão aguda ou profunda; não menos querem a originalidade, a simplicidade e a graça do dizer."


"A vida é cheia de obrigações que a gente cumpre por mais vontade que tenha de as infringir deslavadamente."


Machado de Assis

Botas...as botas apertadas são uma das maiores venturas da terra, porque, fazendo doer os pés, dão azo ao prazer de as descalçar.


Clarice Lispector
"Meu pensamento sempre foi resultado de uma consciência da terra, de povo. Eu venho pregando há muitos anos contra o colonialismo cultural, contra a aceitação passiva,sem nenhuma análise crítica, das fórmulas que nos vêm do exterior, em revistas, bienais, etc. É a favor de um caminho voltado para as profundezas do ser brasileiro, suas raízes, seu sentir. A arte não é apanágio de nenhum povo, é um produto biológico vital".
[ Rubem Valentim ]
"Não é louco quem corre atrás de uma esperança, porque a esperança é o fim de nossa própria vida."
[ Menotti Del Picchia ]

A LUA


A lua surgiu majestosa e sob ela o meu amor
Ela apontava imperiosa a direção do meu sorriso
E sem perceber a fui seguindo
À procura do brilho dourado

Na velocidade do meu pensamento
Ela se escondeu envergonhada
E nas nuvens emoldurada
Ele encontrou a sua amada

A lua tão alta, inalcançável,
admiravelmente bela
Abaixo dela nós pobres mortais
Enaltecendo aquilo que não se consegue explicar

(Pintura de Tarcila do Amaral - A Lua)
De todos dos pontos
De qualquer janela
É ela
A lua

Aviso!


"Venha quando quiser,
ligue, chame, escreva...
tem espaço na casa e no coração,
só não se perca de mim.”

Caio Fernando Abreu
Eis que algum dia percebi o quanto sou feliz por estar vivo. A dimensão do que posso ser, fazer e desfazer vai além do que eu jamais poderia imagi- nar. É algo incrivelmente majestoso.
[Palavras quase ocultas]

Última chuva.

“Na chuva tão densa que cai qual cortina, Que embaça a vista e turva o olhar.”

(Salete Gurgel)

Insistente e cheia de novidades para propor.

Vem com vontade, com aquela voz insuportavelmente agradável.

Diz coisas belas, promete-me que veio para matar a sede e purificar o pecado.

Acaricia minha janela e diz que precisa me falar.

Convenço-a de que é melhor conversarmos lá fora.

E ela aceita.

A seita: um ritual que me faz perder o controle e cair sobre aquelas gotas de prazer.

Enrosca seu corpo por todo o meu. Faz carinho nos meus cabelos molhados.

E não perde a voz. Ressoa. Segura. Vocifera.

Meu corpo está como veio ao mundo. Roupas transparentes.

E ela terrivelmente sensual. Toca-me por completo, molha meus pés e beija-me sem luto.

Água que escorre pela boca e entrelaça minha saliva.

Chuva que bate aqui sem comiseração.

Afoga-me.

Palavras Quase Ocultas


"Como Rei de meus atos, sinto incontrolavelmente desejos vorazes e paixões sãs. Busco saciar a sede de meu corpo, desflorar o prazer de minha existência, sonhar alto, extingüir paradigmas obsoletos. E não parar nunca, idealizando no íntimo de minha candura a paz árdua de que necessito - a paz de meu alento."

Miragens


Sinto a música chegar ao fim. Com o corpo esticado no sofá e o sono a me conduzir por dentro, não ofereço resistência ao silêncio que vem tomando a sala, povoando minha mente em espiral.
As memórias sobrepõem-se umas às outras digladiando com minha lucidez, agora ínfima. Faço a passagem do mundo real para o mundo dos sonhos. Era menino e estava sentado à sombra de uma árvore, comendo caju, descalço, despenteado. Um enorme cavalo branco vinha trazendo consigo a criatura.
Os olhos cintilantes de um leve azul escuro; os longos cabelos ruivos, encaracolados; o véu na cabeça. Levantei-me e olhei-a de frente, não mudara. Estendi-lhe as mãos para tocar mas senti o vazio. A cadeia surreal do sonho irrompeu-se de volta para a sala. Tateei o ar como quem por algo procura. Balbuciei um nome inaudível e o sonho rumou ao infinito. Longe de mim interpretar certos mistérios.

(Exatos)

"...preciso de uma chance de tocar em você,captar a vibração que sinto em sua imagem."

Me disseram para ser

alguém que eu não quero ser. Isso só faz crescer a vontade aqui dentro de mostrar pra todos e calar a boca de todos.

Geralmente

Quando os problemas aparecem é quando a gente está desprevinido, não é? ERRADO! É você que perdeu o controle da situação, perdeu a capacidade de controlar os desafios, principalmente quando a gente foge das lições que a vida coloca na nossa frente. Você se acha sempre incapaz de resolver, se acovarda, o pensamento é a força criadora. O amanha é ilusório porque ainda não existe. O hoje é real, é a realidade que você pode interferir, mas as oportunidades de mudança estão no presente. Não espere o futuro mudar sua vida, porque o futuro será consequencia do presente. Parasita hoje, um coitado amanha. Corrida hoje, vitória amanha. Nunca esqueça disso.

Não, não é por vaidade

Dói
Durante toda a madrugada
Pinçando as letras, juntando as palavras
Sendo vil comigo mesma(o), piorando tudo
Com medo de não conseguir, com medo
De ser tudo tolice, e é
Tudo tolice, tudo por essa estúpida carência de
Querer ser
Ser aquilo que disse que seria
Atrás dos elogios que não vieram
Quando ainda era tempo.

Ainda hoje,

sentada na escada, de cara amarrada, pensei em você. E em todas as suas loucuras, aquelas loucuras, e eu não sei porque, tudo que você fala no meu ouvido a minha cabeça mistura, e eu penso que somos mais que amigos, você não acha loucura?

Eu sei e você sabe,

já que a vida quis assim, que nada nesse mundo levará você de mim. Eu sei e você sabe que a

distância não existe, que todo grande amor, só é bem grande se for triste. Por isso, meu amor, não

tenha medo de sofrer, que todos os caminhos me encaminham pra você.

Assim como o oceano, só é belo com luar. Assim como a canção, só tem razão se se cantar. Assim

como uma nuvem, só acontece se chover. Assim como o poeta, só é grande se sofrer. Assim como

viver, sem ter amor não é viver. Não há você sem mim e eu não existo sem você ♥

Eu só quero ficar com você

Neste momento para sempre, para todo o sempre. Não quero perder um sorriso, não quero perder um beijo. Bom, eu só quero ficar com você, aqui com você, apenas assim.
Eu só quero te abraçar forte, sentir seu coração perto do meu e ficar aqui neste momento, por todo o resto dos tempos. Não quero fechar meus olhos, não quero pegar no sono, porque eu sentiria sua falta, baby. E eu não quero perder nada. Porque mesmo quando eu sonho com você, o sonho mais doce nunca vai ser suficiente, e eu ainda sentiria a sua falta, baby. E eu não quero perder nada... ♥

Escolhas,

às vezes nem sempre os opostos se atraem...
"Tenho uma alma prolixa e uso poucas palavras.
Sou irritável e firo facilmente.
Também sou muito calma e perdôo logo.
Não esqueço nunca.
Mas há poucas coisas de que eu me lembre."

Clarice Lispector

Todos DIFERENTES, Todos IGUAIS

Eu não distingo cores, adoro o arco-íris.
Não sei o que é homem nem mulher, nem qual o sexo fraco... só conheço o Ser Humano.
Nunca vi brancos nem pretos, amarelos ou vermelhos... vejo outras culturas e outros povos.
Não acredito em heterossexualidade, bissexualidade e homossexualidade... acredito apenas na sexualidade.
Não sou Budista nem Cristão, nem tenho Alá no coração... mas tenho FÉ!
Você se espanta com meu modelo...É que eu saí de outra história... Os heróis na minha blusa, não são os que você usa... E eu não te entendo bem...
"Ser você mesmo, em um mundo que está constantemente tentando fazer de você outra coisa, é a maior realização."
Ralph W. Emerson
Eu... que não me sento no trono de um apartamento com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando a morte chegar!!! Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais, no cume calmo, do meu olho que vê... Há sempre a sombra sonora de um disco voador...
Eu também sou vitima de sonhos adiados, de esperanças dilaceradas, mas, apesar disso, eu ainda tenho um sonho, porque a gente não pode desistir da vida. Martin Luther King Jr.
Aprendemos a querer-te
Desde tua grande história
Onde o sol de sua bravura
Onde resultou a tua morte
Tua mão gloriosa e forte
Sobre a história dispara
Quando todo Santa Clara
Se acorda pra te ver
Vens queimando a brisa
Com sois de primavera
Para plantar a bandeira
Com a luz de seu sorriso
Teu amor revolucionario
Te conduz a nova empreitada
Onde esperam a firmeza
De teu braço libertário
Seguiremos adiante
Como junto a ti seguimos
E com Fidel te dissemos - Até sempre Comandante!
Aqui caem as claras
A tua dedicada aparencia
Da tua querida presença
Comandante Che Guevara
"Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros". ERNESTO CHE GUEVARA

18 de agosto de 2009

Quero sentir o sabor da manhã...
Olhar nos olhos de meus cães e ler toda ternura do mundo,
Quero sentir o cheiro de chuva,
Ver o sorriso de minha filha e ver o amor estampado em seus olhos,
Quero olhar o sorriso de uma criança,
Quero sorrir com meus amigos,
Quero ver a Lua,
Sentir o vento batendo em meu rosto,
Quero olhar o céu com suas nuvens de algodão,
Quero sorrir,não pelo que apenas vejo,mas pelo que sinto...
Quero ouvir o canto dos passáros
Quero me encontrar...
Agradecer ao Universo por tudo que ele me concede
Quero dançar minha felicidade...
Hoje,apenas quero ser feliz...

By Serena
"Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem; pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada.

Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.

E já não podemos dizer nada."

Autor: Eduardo Alves Costa
No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.
E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,
entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta
[Cecília Meireles]

17 de agosto de 2009

Um amigo me falou...

...vc tem cada frase, a partir do momento que vc coloca no seu nick (do msn) isso passa a ser apenas uma ponte para algo que existe dentro de vc por isso vc se revela por elas...

EngHaw

"...Nós não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir..."
E baby, quando é amor e não for forte, não é divertido.. . !
"O amor nada mais é que o ato da gente ficar no ar, antes de mergulhar."

15 de agosto de 2009

"Sempre sei, realmente. Só o que eu quis, todo o tempo, o que eu pelejei para achar, era uma só coisa - a inteira - cujo significado e vislumbrado dela eu vejo que sempre tive. A que era: que existe uma receita, a norma dum caminho certo, estreito, de cada uma pessoa viver - e essa pauta cada um tem - mas a gente mesmo, no comum, não sabe encontrar; como é que sozinho, por si, alguém ia poder encontrar e saber? Mas, esse norteado, tem. Tem que ter. Se não, a vida de todos ficava sendo sempre o confuso dessa doideira que é. E que: para cada dia, e cada hora, só uma ação possível da gente é que consegue ser a certa."

"O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa,sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem".

João Guimarães Rosa

Mentiras

Lili vive no mundo do faz de conta...
Faz de conta que isto é um avião.
Zzzzzuuu...
Depois aterrizou em um piquê e virou um trem.
Tuc tuc tuc tuc...
Entrou pelo túnel, chispando.
Mas debaixo da mesa havia bandidos.
Pum! Pum! Pum!
O trem descarrilou.
E o mocinho?
Onde é que está o mocinho?
Meu Deus! onde é que está o mocinho?!
No auge da confusão, levaram Lili para cama, à força.
E o trem ficou tristemente derribado no chão,
Fazendo de conta que era mesmo uma lata de sardinha.

[Mario Quintana; Sapato Florido, 1948]

Jota Quest - Seis E Trinta

Pareço contigo, normal e do avesso
Vamos seguir o caminho seguro
Pra continuarmos assim no futuro
Pareço contigo, sem mais nem por quê
Vamos seguir nossas pistas com toda incerteza
Pra continuarmos felizes à mesa
Eu dou um valor absurdo na vida
Ela me traz bem mais que alegria
Traz alguém pro meu sozinho
Você às seis e trinta
Você às seis e trinta
Pareço contigo, de olhos fechados
Vamos seguir no escuro sonhando acordados
Pra nunca deixar nossa luz se apagar
A gente se parece tanto
A gente está só começando
A gente vai se conhecendo
E vê que ainda não sabe nada
A gente só quer ser feliz
Um mundo mais equilibrado
A gente esquece que o amor
É tudo e não nos cobra nada
Eu dou um valor absurdo na vida
Ela me traz bem mais que alegria
Traz alguém pro meu sozinho
Você às seis e trinta
Você às seis e trinta
Você às seis e trinta
Você às seis e trinta

Cores e sabores

Noite! Estou no quarto sozinha, ninguém pra conversar. Pensando em alguém que longe nem se lembra. Será que lembra? Será que gosta?? Queria que chovesse enquanto durmo pra ver se consigo imaginar nós dois juntos de novo... Aquele lugar era colorido...um dia em amarelo, no ar fresco sentia teu corpo, teu cheiro na brisa leve e silenciosa, a pele clara... via teu rosto e o sorriso na boca...com gosto de chocolate branco, agora! E não me deixa raciocinar, instiga o instinto, a vontade, a saudade e o pulso... impulso! A terra vermelha, a grama...verde vivo e o azul do céu...O Sol laranja e vermelho, no sonho que tinha tudo o que é e o que será. Da cor da surpresa verá tudo sorriso, riso, abraço e beijo. Tudo é rosa, o rosa das palavras e o que está entre elas. A Lua prata depois aparece, despertar é a intenção e aproximar é o objetivo. Dourado também junto da cor da pele no brilho do olhar. Um sonho cheio de cores e sabores...
A base de cada estado é a educação da juventude.

14 de agosto de 2009

A música como forma de protesto

Texto retirado de http://br.noticias.yahoo.com/s/14082009/48/entretenimento-musica-forma-protesto.html

Por Andreas Kisser, colunista do Yahoo! Brasil

A música já é conhecida por ser utilizada para mensagens de protesto e reivindicações, sempre teve o poder de atingir as massas e mudar o curso da História.

Bob Dylan foi um dos primeiros artistas a escrever letras mais sérias, politizadas num período pós Segunda Guerra, num país onde as pessoas estavam acordando para um mundo mais real, depois da euforia da vitória. Letras que contestavam a atitude do povo, do governo e da mídia. Ele inspirou e ainda inspira várias gerações, não só nos Estados Unidos, mas em todo o mundo. A música era muito ingênua antes de Bob Dylan, era inofensiva.

Os Beatles, principalmente John Lennon, tiveram o "aval" de Bob para falar e expressar suas ideias, filosofias e opiniões. Nos anos 60, protestos contra a Guerra do Vietnã, no EUA, e pela Paz, no mundo, espalharam-se pelo planeta, mudando a forma como a mídia iria cobrir as futuras guerras dos norte-americanos.

Jimi Hendrix fez o seu protesto no festival Woodstock, que neste fim de semana completa 40 anos. Foi um marco, a performance mais lembrada e citada do festival. Ele "falou" com sua guitarra. Antes de começar "Purple Haze", ele improvisou o hino nacional norte-americano, incluindo efeitos especiais com a alavanca e pedais delay, wah-wah e o famoso Big Muff, imitando ataques aéreos e de bombas Napalm - que era usadas na guerra do Vietnã - caindo. Foi inesperado, intenso, pesado e muito inspirador. O mundo não foi mais o mesmo depois de Woodstock.

Mas além destes exemplos de música com teor de protesto, o que me instigou a escrever este texto foi um vídeo que eu vi esta semana. Um exemplo espetacular de como a música pode atingir lugares inimagináveis. O vídeo é um clipe de uma banda de country contando uma história baseada em fatos reais, aliás, é a história propriamente dita contada em detalhes.

O clipe conta que como é difícil para uma banda viajar de avião hoje em dia, sendo músico e tendo que despachar os instrumentos no check-in. Instrumentos únicos, caros e que sempre têm um valor sentimental, são quase como filhos, manejado com todos os mimos e atenção. Enfim, o violão do vocalista, Dave Carroll, chega ao destino totalmente destruído, isso porque estava em um estojo duro, geralmente resistente a leves pancadas. A compania aérea não cuidou do violão como um item frágil, com todo o cuidado que merece. Atiraram o estojo como se fosse um saco de batatas, não tiveram o mínimo respeito ou preparo para lidar com o estojo.

Dave lutou pelos seus direitos e por uma indenização por meses, acho que mais de um ano, pelos caminhos certos, legais e claro, muito burocráticos, até que no fim disseram que não podiam fazer nada e que ele teria que arcar com o prejuízo de U$ 3500.

Dave resolveu então contar a sua história através de uma música e um clipe. Postou na internet e tem quase 5 milhões de hits. Incrível! A música é muito bem feita e executada, conta a história com clareza e humor. Depois deste sucesso, a companhia aérea entrou em contato com Dave querendo pagar todos os prejuízos e pedindo para que ele retirasse o video do ar. É claro que Dave não aceitou a proposta e pediu para que mandasse o dinheiro a uma instituição de caridade. Fantástico!

É espetacular ouvir o que a música tem a dizer, especialmente na luta contra o abuso de poder e a arrogância de algumas grandes empresas que nos fazem escravos de seus desejos. O brasileiro não tem muito o costume de protestar, reinvidicar o seus direitos, ser cidadão. Que isso possa nos inspirar a ser mais criativos no combate a estes abusos. Na mídia, no cotidiano, no trabalho, no Senado...

A nossa conivência é o que torna esses abusos possíveis!

Andreas Kisser

video

13 de agosto de 2009

"Recuso-me a fazer parte do coro dos contentes. E recuso-me amavelmente a fazer parte também do coro dos conformados.
Não vou pisar jamais no tapete sob o qual escondem o lixo da sociedade.
Eu nasci para ser aspirador de pó."

12 de agosto de 2009

"todo momento é um novo início..."

O Analfabeto Político

video
"O mundo é meu país, a ciência é minha religião".
(Christiaan Huygens)

11 de agosto de 2009

A auto-confiança é o primeiro requisito para grandes realizações!

6 de agosto de 2009


Ela é uma rainha matadora
Gelatina de pólvora
Dinamite com raio laser
É garantia de te surpreender
A qualquer hora

Queen

Inesquecíveis!...


Não existe melhor adjetivo para qualificar os pupilos do mundo da música.Isso mesmo ,os incríveis garotos americanos da cidade de Liverpool que fizeram a cabeça de milhares de pessoas com suas músicas memoráveis acabaram de dar mais um passo em rumo ao inesquecível.Os quatro rapazes " dos cabelos estilosos " da década de 60,mesmo depois de quase cinquenta não deixam barato e não querem nem saber de serem esquecidos.Os "garotos de Liverpool", ou "Fab Four" – "Quarteto Fabuloso" –,como eram chamados, obtiveram fama, popularidade e notoriedade até hoje inéditas para uma banda musical, e se tornaram a banda de maior sucesso e de maior influência. Os Beatles influenciaram e ainda influenciam bandas do mundo todo. Pela inventiva criatividade e originalidade em suas canções, John Lennon e Paul McCartney criaram a mais famosa e celebrada dupla músical de todo o planeta! Os Beatles incluíram em sua carreira feitos que influenciaram todas as gerações seguintes! A música inovadora e o impacto cultural dos Beatles ajudaram a definir a década de 1960; sua influência cultural e pop ainda continua viva e intensa nos dias de hoje

4 de agosto de 2009

"As leis não bastam. Os lírios não nascem da lei. Meu nome é Tumulto e escreve-se na pedra."
Carlos Drummond de Andrade
Sorte de hoje: O sucesso geralmente vem para aqueles que estão muito ocupados para ficar procurando por ele!

3 de agosto de 2009

O Vencedor está só

O Retrato
No momento em que termino de escrever estas páginas, existem
vários ditadores no poder. Um país do Oriente Médio foi
invadido pela única superpotência mundial. Os terroristas estão
ganhando cada vez mais adeptos. Os fundamentalistas cristãos
são capazes de eleger presidentes. A busca espiritual é manipulada
por várias seitas que alegam deter o “conhecimento absoluto”.
Cidades inteiras são riscadas do mapa pela fúria da natureza.
O poder do mundo inteiro está concentrado nas mãos de
seis mil pessoas, segundo pesquisa de um reputado intelectual
americano.
Existem milhares de prisioneiros de consciência em todos os
continentes. A tortura volta a ser tolerada como um método de
interrogatório. Os países ricos fecham suas fronteiras. Os países
pobres assistem a um êxodo sem precedentes de seus habitantes
em busca do Eldorado. Os genocídios continuam em pelo
menos dois países africanos. O sistema econômico dá mostras
de exaustão, e grandes fortunas começam a ruir. O trabalho escravo
infantil tornou-se uma constante. Centenas de milhões de
pessoas vivem abaixo da linha da pobreza absoluta. A proliferação
nuclear é aceita como irreversível. Surgem novas doenças.
Antigas doenças ainda não foram controladas.
Mas é este o retrato do mundo em que vivo?
Claro que não. Quando resolvi fotografar minha época, escrevi
este livro.
PAULO COELHO

2 de agosto de 2009

Quem sou eu (perfil do orkut)

Sou aquela perfeição, que tem mil defeitos. aquela quieta, que adora conversar. aquela vingativa, que perdoa. aquela malandra, que cai feito patinha. aquela apaixonada, que ama com medo e ignora pra não sofrer mais. aquela indecisa, que vai embora quando quer ficar. aquela fácil de acreditar em promessas, que acredita nas suas palavras, mas não tem certeza. aquela confiante, que confia no hoje e desconfia do ontem. aquela só, que se sente sozinha quando há tantas pessoas ao seu lado. aquela esperta, que entende quando precisa ser entendida. aquela decidida, que de vez em quando volta atrás. aquela cantora de chuveiro, que canta músicas pra esquecer. aquela corajosa. aquela diferente, que não vê do jeito que todos veêm e percebeu que o comum não a atrai. aquela que sempre quer um novo começo.

' ' ''''''''

''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''' ' '
"Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como você me vê passar ..." Clarice Lispector


"Venho tentando lapidar meus dias, a fim de que eles se tornem mais concretos e iguais. Vivo a ditadura da realidade porque me disseram que é preciso. De tanto ouvir essa "verdade" acabei aceitando a premissa, mas aceito-a em parte.
Desde que eu resolvi parar de discutir com quem não entende, faço uma escolha criteriosa de almas. É quase um instinto de sobrevivência fingir, em certas situações, que eu não vejo o lado extraordinário das coisas que me acontecem.
Às vezes eu tenho problemas com essa dualidade. Eu não costumo estar. De uma forma muito simples e imediata, eu sou. É difícil disfarçar tudo que essa condição me traz. Mas aprendi que às vezes, sim, é preciso.
Sonho com um dia em que eu possa apenas ser. Sem dor. Sem culpa. Sem cobranças. Sem mal-entendidos.
'Sem desencontros. Sem desencanto.' Além do arco-íris, talvez seja verdadeiramente permitido.
Enquanto isso de vez em quando eu fico triste.
Eu já encontrei os tijolos amarelos, mas ainda preciso que a fada me dê os sapatos de rubi, para evitar alguns desvios.
É bom que algo incomode vez ou outra. Mas hoje eu só queria proteção para pisar forte e sem medo nesse chão que eu descobri. Não quero perguntas nem respostas. Só pretendo continuar... É preciso."
Clarice Lispector

.......................................................

Dance.Mesmo que não tenha aonde além de seu próprio quarto. Dedique-se a conhecer os seus pais. É impossível prever quando eles terão ido embora, de vez. Seja legal com seus irmãos.
Eles são a melhor ponte com o seu passado e possivelmente quem vai sempre mesmo te apoiar no futuro.
Entenda que amigos vão e vem, mas nunca abra mão de uns poucos e bons.
Esforce-se de verdade para diminuir as distâncias geográficas e de estilos de vida, porque quanto mais velho você ficar, mais você vai precisar das pessoas que conheceu quando jovem.

--------------------------------------------

Ainda é muito mais o que você desconhece do universo do que aquilo que você sabe dele. Por isso, não tema o desconhecido, porque temê-lo significaria tomar a decisão de permanecer aquém do horizonte que você poderia conquistar!
Simplesmente viva cada minuto!

Meta: 100% de esforço onde houver 1% de chance!

...

Quero rezar e chorar, arrepender-me de crimes que
não cometi... Um regaço para chorar, mas um regaço
enorme, sem forma, espaçoso como uma noite de
verão... Poder ali chorar coisas impensáveis, ternuras
de coisas inexistentes, e grandes dúvidas arrepiadas
de não sei que futuro... Um colo ou um berço ou um
braço quente em torno ao meu pescoço... Um extravio
morno da minha consciência... E depois sem som, um
sonho calmo num espaço enorme, com a lua rondando
entre estrelas...


( FERNANDO PESSOA )

Absurdo


Havia tanto pra lhe contar
A natureza
Mudava a forma o estado e o lugar
Era absurdo

Havia tanto pra lhe mostrar
Era tão belo
Mas olhe agora o estrago em que está

Tapetes fartos de folhas e flores
O chão do mundo se varre aqui
Essa idéia do natural ser sujo
Do inorgânico não se faz

Destruição é reflexo do humano
Se a ambição desumana o Ser
Essa imagem de infértil deserto
Nunca pensei que chegasse aqui

Auto-destrutivos,
Falsas vitimas nocivas?

Havia tanto pra aproveitar
Sem poderio
Tantas histórias, tantos sabores
Capins dourados

Havia tanto pra respirar
Era tão fino
Naqueles rios a gente banhava

Desmatam tudo e reclamam do tempo
Que ironia conflitante ser
Desequilíbrio que alimenta as pragas
Alterado grão, alterado pão

Sujamos rios, dependemos das águas
Tanto faz os meios violentos
Luxúria é ética do perverso vivo
Morto por dinheiro

Cores, tantas cores
Tais belezas
Foram-se
Versos e estrelas
Tantas fadas que eu não vi

Falsos bens, progresso?
Com a mãe, ingratidão
Deram o galinheiro
Pra raposa vigiar

Vanessa da Mata - Absurdo


Pêssego - Manoel de Barros

Proust

Só de ouvir a voz de Albertine entrava em
orgasmo. Se diz que:
O olhar de voyeur tem condições de phalo
(possui o que vê).
Mas é pelo tato
Que a fonte do amor se abre.
Apalpar desabrocha o talo.
O tato é mais que o ver
É mais que o ouvir
É mais que o cheirar.
É pelo beijo que o amor se edifica.
É no calor da boca
Que o alarme da carne grita.
E se abre docemente
Como um pêssego de Deus.


Teu corpo/meu espaço - Manuela Amaral


Teu corpo é raiz
rasgando a terra nua
do meu sexo
Teu corpo é vertical
onde os meus dedos tocam as distâncias
Teu corpo é diálogo sem palavras
O grito em ressonância
no meu espaço.

Eu e os LIVROS



"Não consegui chegar a uma sentença porque me dei conta de que os livros fazem parte da minha vida há tanto tempo que eles se misturam com a minha história desde o princípio, desde o começo de mim mesma.
Quando nasci minha mãe já havia comprado para mim livros e gibis que ela guardava com cuidado esperando o momento que eu entenderia a riqueza de tudo o que estava preso àquelas folhas.
Minhas memórias mais antigas me levam sempre à imagem da minha mãe lendo para mim e pra minha irmã, estes e outros livros que ela foi comprando conforme fomos crescendo e as histórias acabando. Enquanto ela lia uma história eu segurava os livros que ela leria nos dias seguintes.
Todos os livros que minha mãe comprou para mim na infância estão hoje em meio aos livros que comprei na adolescência e até hoje.
Essa relação com os livros me fez ser uma criança e uma adolescente solitária. Tinha amigos, brincava na rua, mas passava mais tempo em casa que as outras crianças. Porque para mim as aventuras e as hi
histórias estavam todas ali nas páginas dos livros.

Deitava na poltrona da área de casa, ficava até chegar ao final da história. E eu insistia em dizer que não precisava sair dali para me divertir. Na verdade faço isso até hoje. Escolho um livro, além dos que temos da faculdade, e começo a ler. Se eu gostar da sua história não paro mais até chegar ao final. Melhor ainda quando são aquelas Trilogias ou Coleções... A aventura não acaba tão cedo.
Os livros são e sempre serão a melhor forma de viajar, de sonhar e desenvolver a imaginação ter limites. Acho que é por isso que eu gosto tanto. Nada tira o meu prazer de deitar tranqüila e esquecer do mundo lendo um bom livro.
Ele dá detalhes que nem faço idéia, me conta histórias, me alegra e emociona, me desenvolve, faz pensar, evolui... Livros Livros"


“Ensaio sobre a cegueira” José Saramago

Já tinha ouvido falar muito desse livro e agora com o filme me puxou mais ainda a curiosidade. Encontrei no Blog Tribuna Imprensa, da Fernanda Miranda um texto muito bom sobre isso e também em outro Blog que eu gosto, o Tabuleiro de Palavras outro texto interessante. Então...

Como seria se todos ficássemos subitamente cegos?

Parece algo inimaginável, não é? Mas para José Saramago não, o grande escritor português, que ganhou o prêmio Nobel de Literatura em 1998. É impressionante a capacidade de Saramago de tocar a alma humana, tanto pela simplicidade de escrever coisas tão óbvias, mas que deixamos de enxergar, quanto pela profundidade de percorrer caminhos que preferimos esquecer para permanecermos no egoísmo a que julgamos “cegamente” ser condição para a nossa sobrevivência.
A “Treva Branca” é como se denomina a cegueira súbita que acomete os personagens da trama, começando por um e se espalhando por toda a cidade. A imagem do inferno é dilacerante. E o que será que acontece depois? Separei algumas frases do livro que achei muito pertinentes:
“Se não formos capazes de viver inteiramente como pessoas, ao menos façamos tudo para não viver inteiramente como animais.”
“Todos temos os nossos momentos de fraqueza, ainda o que nos vale é sermos capazes de chorar, o choro muitas vezes é uma salvação, há ocasiões em que morreríamos se não chorássemos”.
“A experiência da vida é a mestra suprema de todas as disciplinas.”
“É dessa massa que somos feitos, metade de indiferença e metade de ruindade.”
“Só num mundo de cegos as coisas serão o que verdadeiramente são”

“Uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos”


http://tabuleirodepalavras.blogspot.com/


José Saramago, a Crise Mundial e a Cegueira Branca

Eu já queria falar sobre o José Saramago por ocasião do lançamento do filme ‘Ensaio Sobre a Cegueira’, que deu até confusão entre... os cegos.
Aí, Zé Eduardo, meu amigo, me mandou ontem uma matéria da Agência Lusa sobre o escritor português e sugeriu que eu falasse dele...
A Agência Lusa noticiou que Saramago, durante a entrevista coletiva do filme de Fernando Meirelles, em Lisboa, analisou a atual crise do sistema capitalista afirmando que Karl Marx "nunca teve tanta razão como agora".

"Onde estava todo esse dinheiro (desbloqueado para resgatar os bancos)? Estava muito bem guardado. Logo apareceu, de repente, para salvar o quê? Vidas? Não, os bancos", disse Saramago.
Na seqüência, ele emendou: "Marx nunca teve tanta razão como agora, mas as piores conseqüências ainda não se manifestaram". Ao ser ouvido sobre o vínculo entre o tema de seu romance e a crise financeira, o escritor respondeu que "sempre estamos mais ou menos cegos, sobretudo, para o fundamental".
Aproveitando o gancho, digo que muita gente, inclusive os tais cegos que queriam embargar o filme – ou por não conhecer a obra de Saramago ou por não terem condições de entendê-la mesmo (!!) – estão dizendo muita besteira sobre ‘Ensaio Sobre a Cegueira’.
A história começa com um homem dirigindo seu carro. Do nada, diante de um semáforo, ele perde a visão. Mas logo se dá conta de que sua cegueira é branca. Logo também outras pessoas perdem a visão e o problema, aparentemente sem solução, se torna epidemia.
Com medo do contágio, as autoridades excluem os cegos e os colocam em espaços como sanatórios. Lá, os homens são colocados em condições subumanas e vivem situações que levam os homens e mulheres a agir conforme seus instintos de sobrevivência mais primitivos e animalescos. Saramago usa recurso inverso ao de Guimarães Rosa. Enquanto o escritor brasileiro humaniza os animais – veja ‘O Burrinho Pedrês’ – o português mostra a que ponto da animalização o homem pode chegar de acordo com as condições em que vive.
E é disso que a cegueira de Saramago trata. A cegueira branca não é cegueira física. A cegueira branca é a cegueira social. É a cegueira para a fome, para a exclusão, para a sobrevida a que alguns homens submetem outros como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Como diz Zé Eduardo, Saramago, quanto mais velho fica, mais lúcid
o está. Amém!
Abaixo, trechos de ‘Ensaio Sobre a Cegueira’
“O sinal verde acendeu-se enfim, bruscamente os carros arrancaram, mas logo se notou que não tinham arrancado todos por igual. O primeiro da fila do meio está parado, deve haver ali um problema mecânico qualquer, o acelerador solto, a alavanca da caixa de velocidades que se encravou, ou uma avaria do sistema hidráulico, blocagem dos travões, falha do circuito eléctrico, se é que não se lhe acabou simplesmente a gasolina, não seria a primeira vez que se dava o caso. O novo ajuntamento de peões que está a formar-se nos passeios vê o condutor do automóvel imobilizado a esbracejar por trás do pára-brisas, enquanto os carros atrás dele buzinam frenéticos. Alguns condutores já saltaram para a rua, dispostos a empurrar o automóvel empanado para onde não fique a estorvar o trânsito, batem furiosamente nos vidros fechados, o homem que está lá dentro vira a cabeça para eles, a um lado, a outro, vê-se que grita qualquer coisa, pelos movimentos da boca percebe-se que repete uma palavra, uma não, duas, assim é realmente, consoante se vai ficar a saber quando alguém, enfim, conseguir abrir uma porta, Estou cego.”
“O cego ergueu as mãos diante dos olhos, moveu-as, Nada, é como se estivesse no meio de um nevoeiro, é como se tivesse caído num mar de leite, Mas a cegueira não é assim, disse o outro, a cegueira dizem que é negra, Pois eu vejo tudo branco, Se calhar a mulherzinha tinha razão, pode ser coisa de nervos, os nervos são o diabo, Eu bem sei o que é, uma desgraça, sim, uma desgraça”
“Chegara mesmo ao ponto de pensar que a escuridão em que os cegos viviam não era, afinal, senão a simples ausência da luz, que o que chamamos cegueira era algo que se limitava a cobrir a aparência dos seres e das coisas, deixando-os intactos por trás do seu véu negro. Agora, pelo contrário, ei-lo que se encontrava mergulhado numa brancura tão luminosa, tão total, que devorava, mais do que absorvia, não só as cores, mas as próprias coisas e seres, tomando-os, por essa maneira, duplamente invisíveis.”


“cegos de olhos e de sentimentos, porque os sentimentos com que temos vivido e que nos fizeram viver como éramos, foi de termos olhos que nasceram, sem olhos os sentimentos vão tornar-se diferentes, não sabemos como, não sabemos quais (...) Dantes, quando víamos, também havia cegos, Poucos em comparação, os sentimentos em uso eram os de quem via, portanto os cegos sentiam com os sentimentos alheios, não como cegos que eram, e ainda vamos no princípio, por enquanto ainda vivemos da memória do que sentíamos.

"Um após outro, todos foram cegando, com os olhos de repente afogados na hedionda maré branca que inundava os corredores, as camaratas, o espaço inteiro. Lá fora, no átrio, na cerca, arrastavam-se os cegos desamparados, doridos de golpes uns, pisados outros, eram sobretudo os anciãos, as mulheres e as crianças de sempre, seres em geral ainda ou já com poucas defesas, milagre foi não terem saído disto muitos mais mortos para enterrar. Pelo chão, espalhados, além de alguns sapatos que perderam os pés, há sacos, malas, cestos, a derradeira riqueza de cada um, agora para sempre perdida, quem vier aos achados dirá que o que lá leva é seu."

Quando ninguém está por perto


Foto: Marc Romanelli


Parados estavam eles naquele banquinho da praça a admirar a velocidade com que aquelas pessoas caminhavam ali; não olhavam sequer ao lado, criando um submundo voltado pra sua própria realidade.

Entreolharam-se por um milésimo de segundo, mas preferiram manter o silêncio. Pareciam estar presos em sua própria realidade, já não havia mais ruído, já não havia mais pessoas. Só restavam pensamentos.

E mesmo diante daquele grau de contato íntimo com o seu próprio eu, cada um deles fazia dos olhares que sobrevinham uma forma de encontrar o caminho do outro. E a taciturnidade ainda reinava naqueles gestos tão delicados. 

Qual será o melhor caminho a seguir? Perguntavam-se. 
As dúvidas pareciam gritar em suas cabeças e ao mesmo tempo, o coração palpitava cada vez mais rápido, cada vez mais confuso.

A verdade é que eles dois tinham muitos pensamentos em comum, mas de que adiantava? O medo sempre se tornava vilão da situação e apoderava-se de qualquer tentativa de fuga ou subterfúgio. No entanto, a força dos dois veio à tona. Encararam suas dúvidas e receios com o coração valente e aberto. 

Não havia mais tempo para procrastinar. Era tarde e o tempo parecia passar cada vez mais rápido. Em medidas assustadoras, eles viram suas vidas passarem em um segundo. Será que tinha valido a pena? Era hora de seguir em frente.

Ele deu sua mão pra ela, fazendo-a segurar fortemente. Ela, sorrindo, apertou ainda com mais força. Não falaram nada e, olhando para o horizonte, começaram a correr sem descanso. Nada fazia mais sentido parar ali. Incansavelmente, por dias e noites, estavam os dois contornando a mecânica falha de seus corpos. 

E entre tantas pessoas que antes ali estavam, entre tantos bancos, tantas praças, eles se encontraram. Estranhos e unidos, somente pela vida.



(Texto de Monick Vasconcelos e Critical Watcher)